Curtas-Metragens

11:40
Ficção | 12’ | DCP | Argentina | 2018

Direção
Claudia Ruiz

Exibições:

20 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura
21 de maio, às 10h – Cine Teatro Cultura
22 de maio, às 8h – Cine Teatro Cultura
23 de maio, às 8h – Cine Teatro Cultura
24 de maio, às 10h – Cine Teatro Cultura

Sinopsis: Damián (10) y su hermanito Matias (7) comienzan a asistir a una escuela ubicada junto a una cárcel. Damián Mira el reloj que acaba de recibir por su cumpleaños y espera, ansioso, la hora 11:40.

Directora de El Molinete Animaciones, productora de stopmotion. Dirección la series Dr Cocicienzo, la ciencia de la cocina 2012, Dirección de Stop Motion serie La liga de las cinco plumas, Dirección y Animación Stop Motion El Viaje de Gaia, Animación fragmento Your Face Global JAM Bill Plymton, Dirección videoclips animados FELISA y Tres minutos Grupo Rio.Dirección Niñas y niños cuentan(Unicef), Animación Un pobre Dios de Rodolfo Pastor. Dir., Guión y Animación Hablando de Cosas serias, Premio Incaa. Premio Historias Breves 2016: 11.40; Ailìn en la Luna, stop motion, Premio ES 2017. El despertar de la iguana, Guiòn ganador Espacio Santafesino 2018

A SOMBRA INTERIOR
Ficção | 16’ | DCP | RS | 2018

Direção
Diego Tafarel

Exibição 23 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Filho de família patriarcal do interior descobre algo.

Sócio-proprietário, diretor e roteirista na Pé de Coelho Filmes, dirigiu diversos curtas-metragens que circularam por dezenas de festivais por todo o mundo, sendo premiado em muitos destes. Dentre os principais estão Pobre Preto Puto (2016), Através de ti (2017) e A Sombra Interior (2018).

AINDA ONTEM
Ficção | 20’ | DCP | PR | 2018

Direção
Jessica Candal

Exibição 21 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Sob ecos do passado, Neto e seus amigos improvisam rimas que ainda estão por vir.

Jessica Candal é Bacharel em Audiovisual (ECA-USP) e especialista em Poéticas Visuais (EMBAP). Como diretora realizou os curtas-metragens Horizonte, Bárbara na Cidade, Teia e O Espelho de AnA. Como roteirista, escreveu os longas Ferrugem e Barba Ensopada de Sangue, em parceria com Aly Muritiba, e Tão Longe do Centro da Terra, em parceria com Aarón Fernández.

ALMA BANDIDA
Ficção | 15’ | DCP | MG | 2018

Direção
Marco Antônio Pereira

Exibição 22 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Em Cordisburgo, um casal adolescente parece estar se afastando. O jovem está desiludido e sua companheira aponta sua mudança. Ambos se amam, querem se casar e começar uma família, mas a falta de perspectivas na região faz você querer ter outro futuro. O jovem não encontra trabalho e começa a cavar buracos para encontrar pedras preciosas. Ao mesmo tempo, ela tenta escapar de sua vida cotidiana jogando GTA, como uma saída, ele percorre as ruas do jogo.

Apresentado em estreia internacional no Berlinale 2018, “Alma Bandida” ( The Hooligan Soul ) foi dirigido por Marco Antônio Pereira, este é o seu segundo curta-metragem após “A Retirada para um Coração bruto “. O cineasta brasileiro pinta o futuro incerto dos jovens de seu país e a busca pela felicidade abalada. Para desbloquear a situação, o jovem herói corre um perigo irracional. Ele vai procurar pedras preciosas, expondo-se a deslizamentos de terra e especialmente à frustração. Com uma imagem escura, “Alma Bandida “é um reflexo da marcha impossível à frente da juventude brasileira em um país atormentado pelo desemprego. Sincero e cru, o curta-metragem é uma bela homenagem ao adolescente sem saída e aos sonhos frustrados.

APENAS O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE MIM
Ficção | 15’ | DCP | SC | 2018

Direção
Maria Augusta Nunes

Exibição 23 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Os adolescentes Laura e Fábio se conhecem em uma pista de skate e a amizade logo se transforma em algo além. Mas um dia Laura desaparece sem dizer nada.

Sócia da Novelo Filmes, produtora de conteúdo audiovisual com sede em Florianópolis. Roteirizou os curtas “Quem Não Tem Cão” (licenciado para Canal Brasil) e “Flecha Dourada” (Festival Internacional de Curtas de São Paulo 2017). É roteirista da série “Johnny Fever”, vencedora do prêmio de desenvolvimento do FSA, e do longa de ficção “Casarão”, vencedor do Edital de Coprodução Brasil|Argentina e do Prêmio Catarinense de Cinema.

AULAS QUE MATEI
Ficção | 23’ | DCP | DF | 2018

Direção
Amanda Devulsky e Pedro B. Garcia

Exibição 21 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Mais um dia de aula. Nem todos conseguem chegar.

Amanda Devulsky nasceu em Brasília. Dirigiu, escreveu e montou curtas-metragens. Desde 2014, realiza iniciativas feministas no audiovisual e é uma das criadoras|editoras do Verberenas.

Pedro B. Garcia nasceu em Goiânia. Realizou com Amanda Devulsky o curta-metragem Fantasma cidade fantasma (2016). Desde 2015, atua em projetos de cinema e educação em escolas da rede pública do Distrito Federal, incluindo parceria com o projeto Inventar com a Diferença.

CATADORA DE GENTE
Doc | 18’ | DCP | RS | 2018

Direção
Mirela Kruel

Exibição 24 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Catadora de Gente é Maria Tugira Cardoso. Há 30 anos a personagem do filme dedica sua vida a catação de lixo. O filme, através de um tocante depoimento, expõe as ideias a respeito da vida, dos preconceitos e da dura trajetória desta mulher, como tantas outras mulheres catadoras no Brasil. Com sua fala lúcida a respeito da vida e de suas complexidades, Tugira narra sua história e propõe ao espectador uma reflexão profunda sobre as desigualdades sociais do Brasil.

Jornalista e diretora de filmes. T em em sua trajetória na área de vídeo autoral independente, diversos prêmios em festivais nacionais e internacionais. Os últimos trabalhos autorais em destaque são os curta-metragens “Sobre Sonhos e Águas” e “Katharsis”. Lançou em 2015 seu primeiro longa metragem chamado “O Último Poema”.

DÍA DE CHANGÓ
Ficção | 17’| DCP | Cuba | 2018

Direção
Denise Kelm

Exibição 21 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse:  Enquanto Cuba enfrenta o desaparecimento físico de Fidel Castro, Ana María decide voltar a sua cidade natal no Dia de Xangô, para se reencontrar com sua irmã mais nova.

Denise Kelm estudou direção na EICTV, em Cuba. Dirigiu 13 curtas, entre documentários e ficções, que foram premiados e exibidos em diversos festivais como: IDFA (Holanda), GIFF (México), FICCI (Colombia), Festival Internacional de Curtas Kinoforum e Festival Latino Americano de São Paulo. Atualmente finaliza seu primeiro longa “Taiobas”.

EU, MINHA MÃE E WALLACE
Ficção | 22’34 | DCP | RJ | 2018

Direção
Irmãos Carvalho

Exibição 20 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: A história de uma fotografia: Uma mãe solteira, um pai ausente e uma criança.

Os irmãos gêmeos Marcos e Eduardo Carvalho são cineastas do morro do Salgueiro, Rio de Janeiro. Entre os principais prêmios conquistados pelos irmãos, “Chico” recebeu o Candango de Melhor Direção e o Prêmio Canal Brasil no 50o Festival de Brasília, além do 50o Troféu Margarida de Prata da CNBB. Os irmãos trabalham como produtores, diretores e roteiristas de cinema e seus filmes lidam com temas que permeiam a vida na periferia.

KAIRO
Ficção | 15’ | DCP | SP | 2018

Direção
Fábio Rodrigo

Exibição 20 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Na periferia de São Paulo, a assistente social Sônia precisa retirar o garoto Kairo da escola para uma difícil conversa.

44º Festival de Cinema de Gramado – 29/08/2016 – Debate do curta metragem: “Lúcida” diretor Fabio Rodrigo – Foto: Cleiton Thiele/Pressphoto – www.edisonvara.com.br – +555199820707

Fabio Rodrigo é um diretor de São Paulo nascido em 1983. Em 2015 ele dirigiu com Caroline Neves seu curta de estreia, Lúcida (2015), que participou de mais de 20 festivais e angariou 8 prêmios, incluindo o de Melhor Curta pelo Júri da Crítica no Festival de Gramado. Kairo é seu segundo curta-metragem, que também estreou no Festival de Gramado, onde ganhou o Prêmio de Melhor Direção.

LA ETERNIDAD DE PAULA
Ficção | 11’ | DCP | Venezuela | 2018

Direção
Dayana Gauthier

Exibição 24 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Liana, una niña de 5 años de edad y su familia se enfrentan a una feroz sequia. Mientras la madre empaca para emigrar. La niña tiene un inesperado encuentro que cambiara el destino de todas.

Directora, Guionista y Editora, egresada de la Escuela de Medios Audiovisuales de la Universidad de los Andes en la mención de Realización. Por mas de 15 años se ha desempeñado como editora”. En su carrera como directora destacan los cortometrajes “Mei Fung” que fue seleccionado en mas de 15 festivales internacionales y ganador de varios premios en festivales nacionales.

MAIS TRISTE QUE CHUVA NUM RECREIO DE COLÉGIO
Doc | 14’ | DCP | RJ | 2018

Direção
Lobo Mauro

Exibição 22 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: A reforma superfaturada do Maracanã para a Copa de 2014. A Reforma Trabalhista de 2017 para a superfartura do empresariado. A Copa do Mundo no Brasil, a World Coup.

Cineasta, formado em Educação Física (UFMG) e Cinema (UFF). Mestrado Profissional em Criação e Produção de Conteúdos Digitais ECO|UFRJ. Sócio-fundador da Rocinante Produções e Editor Audiovisual da Escola de Comunicação|UFRJ. Sócio-fundador da edt. (Associação de Profissionais de Edição Audiovisual).

O ESQUEMA
Ficção | 12’ | DCP | PE | 2018

Direção
Caio Dornelas

Exibição
22 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Um grande acordo nacional.

Caio Dornelas é fundador da produtora pernambucana 9 OITAVOS CULTURA E TECNOLOGIA. Atua em diversas funções em projetos de conteúdo audiovisual, dirigiu o curta metragem “O que se memora” (2014), “O Esquema” (2018), e está em fase de distribuição, através da Tarrafa Produções, de seu mais recente trabalho, o curta metragem “Auto Falo”.

O MENINO QUE MORAVA NO SOM
Ficção | 20’ | DCP | PE | 2019

Direção
Felipe Soares

Exibição 20 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Um menino de doze anos vive uma rotina de ludicidades, desejos e frustrações. Guiado por sua mãe, o garoto vai a um aterro sanitário para procurar seu pai. Lá, ele experimenta sensações, até então, desconhecidas.

Felipe Soares (1984) é artista e cineasta. Vive e trabalha no Recife, Brasil. Em 2008, se tornou professor e especialista em educação escolar, seus estudos acadêmicos problematizam o cinema e a cultura corporal. Em 2016 dirigiu o seu primeiro curta- metragem “Autofagia”, onde conquistou 11 prêmios e foi adquirido pelo Canal Brasil.

ODÒ PUPA, LUGAR DE RESISTÊNCIA
Doc | 13’41 | DCP | PB | 2018

Direção
Carine Fiúza

Exibição 24 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: A fala, a imagem, as estatísticas e a repetição tudo comunica, mas pra quem se vocês dão as costas para os motivos pelos quais nossos filhos estão morrendo? Odò Pupa, rio vermelho que flui para Atlântico e testemunha nossa diáspora.

Carine Fiúza(Campina Grande, Paraíba, 1989). Diretora de cinema, videomaker, fotografa e performer. Estudou comunicação social – Rádio e TV na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa, de 2013 a 2018. Atualmente desenvolve projetos autorais com cinema experimental e documentário. Em seu trabalho traz o tempo de observação das coisas atrelando sua vivência enquanto mulher negra a percepção estética do movimento|imagem. Vive e trabalha em João Pessoa, Paraíba.

QUE SOM TEM A DISTÂNCIA
Doc | 15’ | DCP | RS | 2018

Direção
Marcela Schild

Exibição 24 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Depois do cárcere, Isaura tenta se reconectar com o mundo. Na prisão participou de uma iniciativa literária e através do reencontro com companheiras do projeto, discorre sobre suas angústias. A dificuldade de se reconfigurar como mãe, mulher e humana é constante.

Diretora estreante, estudante de jornalismo na Universidade de Santa Cruz do Sul, trabalha com produção audiovisual há 3 anos.

SOCCER BOYS
Doc | 14’ | DCP | RJ | 2019

Direção
Carlos Guilherme Vogel

Exibição 23 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse:  Enquanto se preparam para disputar a Taça da Diversidade, os jogadores do Beescats Soccer Boys discutem questões importantes com relação à homossexualidade no futebol e a homofobia na sociedade contemporânea. O filme acompanha André e Douglas, dois jogadores do primeiro time de futebol gay do Rio de Janeiro, os quais expõem as mudanças em suas vidas a partir do momento em que ingressaram no time e refletem sobre a forma como isso afeta o contexto mais amplo da discriminação sexual no Brasil.

Roterista, Diretor e Produtor, membro dos Coletivos Peleja Filmes e Roteiristas de Aluguel.Natural de Cruz Alta (RS), atualmente vive no Rio de Janeiro (RJ). Graduado em Publicidade e Propaganda pela UFSM|RS, especialista em Comunicação Audiovisual pela PUC|PR e formado em Roteiro pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro|RJ. Possui cursos na EICTV|Cuba e na Prague Film School|Rep. Tcheca. Mestrando em Comunicação na UERJ|RJ.

v

SUBCUTANEO
Ficção | 19’ | DCP | MG SP| 2018

Direção
Carlos Segundo

Exibição 23 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Anne sabe, a pele não é o limite

Doutor em Cinema [Unicamp] e mestre em Psicologia [UFU], Carlos Segundo é docente do curso de Comunicação|Audiovisual da UFRN. Diretor, roteirista e montador. Realizou mais de 15 obras que circularam em mais de 250 festivais nacionais e internacionais. Atualmente trabalhar na finalização do seu primeiro longa de ficção.

TEA FOR TWO
Ficção | 25’ | DCP | SP | 2018

Direção
Júlia Katharine

Exibição 24 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Silvia é uma cineasta de meia idade levando uma vida de plena estagnação: passa os dias em meio a seus livros, discos e xícaras de chá, sem grandes projetos e sem muita companhia. Certo dia, sua ex-mulher Isabel, que a deixou há muitos anos, bate à sua porta afirmando querer retomar o relacionamento. No mesmo dia, Silvia conhece uma vizinha de prédio, Isabela, que lhe desperta um fascínio e a provoca a sair da inércia.


Julia Katharine é atriz e realizadora. Atuou em curtas como “Filme Catástrofe” e no longa-metragem “Lembro mais dos corvos”, dirigido por Gustavo Vinagre, pelo qual recebeu na 21a Mostra de Cinema de Tiradentes o Prêmio Helena Ignez, dedicado a uma mulher de destaque na mostra. “Tea for Two” é o primeiro curta-metragem que dirige.

TEMPESTADE
Ficção | 20’ | DCP | PE | 2019

Direção
Fellipe Fernandes

Exibição 22 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Ao longe, sobrevoando os vulcões multiplicados, uma tempestade elétrica era gestada em silêncio.

O delírio é a redenção dos aflitos, 2016.
Tempestade, 2019.