Longas-Metragens

ESTRANGEIRO
Ficção | 114’ | DCP | PB |2018

Direção
Edson Akatoy

Exibição 20 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Elisabete (Cecilia Retamoza) viveu sua infância com seus pais na paradisíaca praia de Tabatinga, no nordeste do Brasil. Distante do contato com outras crianças, tinha em Daniela (Bruna Belmont) sua única amiga. Devido a um misterioso trauma, Elisabete abandona o seu lar e nunca mais permanece em um só lugar. Aos trinta anos, Elisabete anseia por uma identidade. Ela não se sente confortável em sua própria pele, uma estrangeira em seu mundo.

Edson Lemos Akatoy (João Pessoa, Brasil) é graduado em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal da Paraíba (Brasil, 2017) e mestrando em Cinema Interdisciplinar na Universidade Federal de Sergipe (UFS). Durante a graduação, Edson realizou quatro curtas-metragens e um longa produzido com crowdfunding, sem recursos de editais públicos. Edson também acumula experiências em montagem, como no curta-metragem documentário “Dias de Ira” (2016), de Wagner Ramos e no longa-metragem de ficção “Selva” (2018), de Manoel Fernandes.

FABIANA
Doc | 89’ | DCP | GO | 2018

Direção
Brunna Laboissière

Exibição 24 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Depois de trinta anos vivendo como nômade pelas estradas brasileiras, Fabiana, mulher trans e caminhoneira, realizará sua última viagem antes de deixar para trás suas aventuras na estrada e encarar sua aposentadoria.

Brunna Laboissière é goiana e cineasta. Em 2018, finalizou seu primeiro documentário longa metragem: “Fabiana”, como diretora, roteirista e produtora. Anteriormente, atuou como assistente de produção e de fotografia em curta-metragens. Em 2016, fundou a produtora Artemísia Filmes.

FÔLEGO
Doc | 85’ | DCP | SP | 2018

Direção
Renato Sircilli

Exibição 21 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Gravei quatro anos da vida de um grande amigo buscando flagrar alguma catarse. Enquanto eu tentava lidar com os fins que aconteciam na minha vida, o inevitável aconteceu com ele. Sua mãe morreu e não deixou nenhum vestígio em vídeo. Um filme para se afastar do medo do esquecimento.

Renato Sircilli (São Paulo, Brasil, 1989) é graduado em audiovisual pela Universidade de São Paulo com extensão acadêmica realizada no Institut Supérieur des Arts (INSAS) e na Sint-Lukas Brussel School of Arts, na Bélgica. Interessado na fricção entre linguagens, seus últimos trabalhos alternam-se entre cinema, teatro e performance. Dirigiu quatro curtas-metragens, entre eles O Rosto da Mulher Endividada (2015). Fôlego é seu primeiro longa-metragem.

INFERNINHO
Ficção | 82’ | DCP | CE | 2018

Direção
Guto Parente e Pedro Diógenes

Exibição 23 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Deusimar é a dona do Inferninho, bar que é um refúgio de sonhos e fantasias. Ela quer deixar tudo para trás e ir embora, para um lugar distante. Jarbas, o marinheiro que acaba de chegar, sonha em ancorar e fincar raízes. O amor que nasce entre os dois vai transformar por completo o cotidiano do bar.

Guto Parente e Pedro Diogenes trabalham juntos desde o início de suas carreiras. Inferninho é quarto longa que dirigem juntos, mas o primeiro como uma dupla, já que os demais foram codirigidos também por Luiz e Ricardo Pretti.

PARQUELÂNDIA
Doc | 73’ | DCP | PE | 2018

Direção
Cecília da Fonte

Exibição 22 de maio, às 19h – Cine Teatro Cultura

Sinopse: Encantamento, cores, sons e movimentos. Essa é a imagem e a memória afetiva dos parques de diversões itinerantes montados em periferias e cidades do interior. À luz do dia, a fantasia dá lugar a uma dura realidade: pessoas vivendo em situações precárias, relações de trabalho abusivas e histórias de vida marginalizadas

Cecilia da Fonte, 29 anos, nasceu no Recife. Graduada em comunicação, especializou-se em roteiro e direção cinematográfica em Buenos Aires, na Argentina. Viveu por um período em Angola, exercendo trabalhos na área de direção e produção. Na Venezuela, realizou o diplomado em Documentario de creación pela Escuela Iberoamericana de Cinema Documental – Iberdoc. Seu primeiro curta-metragem, a ficção “SEXTA SÉRIE” foi lançada em 2013 e circulou por mais de vinte festivais nacionais e internacionais.  Atua desde 2012 frente à Ventana Filmes, produtora independente que já assinou a realização de curtas e longa-metragens, mostras, oficinas e exposições de artes visuais em Pernambuco. Feminista, é integrante do coletivo “Deixa Ela Em Paz”e do Movimento de Mulheres no Audiovisual PE – MAPE desde 2016.  O documentário “PARQUELÂNDIA” é o seu primeiro longa-metragem.